Tai Chi para Idosos

O processo de envelhecimento humano traz consigo inúmeras alterações já bastante conhecidas: a altura diminui, os braços e pernas ficam mais finos pela perda de água intracelular e de massa muscular, o diâmetro da pelve aumenta. Há uma redução das capacidades funcionais dos órgãos, os movimentos ficam mais difíceis, a respiração também, a pressão sanguínea aumenta, há alterações digestórias. Por outro lado, a ONU estima que a expectativa de vida vai subir dos 68 anos atuais para 76 anos até 2050. Nos países ricos subirá de 77 anos para 83.

Já que viveremos mais, por que não viver melhor e de bem com a vida? Uma das formas de fazer isso é praticar exercícios físicos, dentre eles um dos mais adaptáveis a qualquer idade e condição do praticante: o milenarmente conhecido Tai Chi Chuan.

Para o idoso, os movimentos ao mesmo tempo lentos, suaves mas vigorosos do Tai Chi melhoram a flexibilidade das articulações e dão firmeza aos braços e pernas, auxiliando na questão do equilíbrio, reduzindo o risco de quedas, e, consequentemente, de fraturas. Concentração, respiração, pressão arterial, memória, artrite e artrose também têm efeitos positivos com a prática.

Por tudo isso, o Supremo Tai Chi Chuan dedica uma atenção especial ao público dessa faixa etária, tanto em seus Cursos Regulares, ministrados na sua sede no bairro da Pompeia, quanto em projetos especiais desenvolvidos sob medida para Associações, Residenciais e Programas de Apoio a Idosos.

Abaixo, alguns testemunhais de alunos que encontraram no Tai Chi o alívio de alguns sintomas que vinham incomodando o seu dia a dia:

“Depois que comecei a praticar, notei uma melhora nos meus joelhos, pois tenho problemas de degeneração nos meniscos. Os músculos ficaram mais fortes, dando mais sustentação aos joelhos. Por causa disso, as dores que eu sentia diminuíram. E a prática do Tai Chi Chuan me ajudou a conhecer muitas pessoas, com as quais tenho bom relacionamento, inclusive fora dos períodos de aula” (Marina Hiroko Hasegawa, 64 anos).

“Eu sofro com a hipertensão há 20 anos, e faço uso de remédios para controlar minha pressão arterial. Nem sempre eles surtem o efeito desejado. Comentei isso com a Professora Valéria e ela pediu que, na aula seguinte, eu levasse meu aparelho para aferir a pressão. Medimos minha pressão antes e depois de 25 minutos de prática do Tai Chi Chuan. Para minha surpresa, nesse curto intervalo minha pressão havia baixado dois pontos” (Terezinha de Oliveira, 71 anos).

Para mais informações sobre turmas abertas, ou para solicitar um proposta sob medida para sua instituição, entre em contato pelo telefone 11 3862-5762 ou WhatsApp 11 98288-2772 e solicite uma proposta para sua escola. Se preferir, envie um e-mail para supremo@supremotaichi.com.br.